Publicidade

Pix, um grande sucesso!

Publicidade

O ano de 2023 terminou com um grande sucesso: o Pix.

Uma adesão impressionante, porque foram quase 42 bilhões de transações, tornando, assim, o meio de pagamento mais popular do Brasil.

Aliás, o Pix também se superou, em relação ao ano de 2022, com um crescimento de 75%.

Os dados são da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), baseados em levantamentos divulgados pelo Banco Central (BC) e pela Associação Brasileira das Empresas de Cartão de Crédito e Serviços (Abecs).

Se se considerar somente pagamento por via Pix, as transações superaram todas as de cartões de crédito e débito, boleto, Transferência Eletrônica Disponível (TED), Documento de Crédito (DOC), cheques e TEC no Brasil, que, juntas, somaram quase 39,4 bilhões de operações, no ano de 2023.

Outra coisa: de acordo com os dados Febraban, geralmente os usuários usam o Pix para pagamentos de transações de menor valor.

Isso posto, pode-se dizer que o Pix revela eficiência e grande adesão da população.

É unânime a opinião de todos os usuários de que o Pix é prático, seguro, conveniente em qualquer momento, no tocante a transações financeiras do dia a dia.

Dessa forma, o Pix é confirmado como o meio de pagamento mais popular do Brasil.

Vale dizer que, depois do Pix, a preferência da população para fazer pagamentos foi para:

  • cartões de crédito, com 17,8 bilhões de transações,
  • cartão de débito, com 16,3 bilhões)
  • boleto, com 4,2 bilhões, e
  • TED, com 892 milhões.

O Pix foi criado pelo Banco Central e lançado, oficialmente, em novembro de 2020.

Vale aqui ressaltar que o Pix conseguiu incluir 71,5 milhões de usuários no sistema financeiro, segundo o Banco Central do Brasil.

Os especialistas são unânimes em dizer que o Pix é uma excelente oportunidade para a redução do papel moeda, ou seja, de os usuários deixarem a dinheiro no banco e, no momento de pagar, de fazer transações comerciais, usar o Pix.

Como já se sabe, e o Banco Central informa, é que usar o Pix para fazer pagamentos, é um meio disponível a pessoas físicas, jurídicas e todos que possuam uma conta corrente, conta-poupança ou uma conta de pagamento pré-paga em uma das mais de 800 instituições aprovadas pelo Banco Central.

Além de ser uma forma de pagamento gratuita, outro benefício do Pix é que as transações são realizadas em poucos segundos.

Ou seja, o pagamento e o recebimento são concluídos em poucos segundos, além de o usuário fazer o pagamento em qualquer dia e horário, isto é, 24 horas por dia, sete dias por semana, até feriados e fins de semana.

Desde o seu lançamento, já são cerca de 524 milhões de chaves cadastradas no Diretório de Identificadores de Contas Transacionais do Banco Central.

Veja os números:

  • as chaves aleatórias são aproximadamente 214 milhões,
  • Seguem as chaves por CPF num número aproximado de 1145 milhões,
  • Depois, as de celular com um pouco mais de 108 milhões,
  • As chaves que usam o e-mail do usuário somam 77,5 milhões.

É inegável a eficiência, rapidez e agilidade desse método de pagamento que ficou tão famoso e útil para todos os brasileiros.

O lançamento do Pix, em 19 de fevereiro de 2020, e sua adesão imediata já foi percebida logo no primeiro mês de funcionamento.

Tanto é que o Pix ultrapassou os tão tradicionais DOC, que é Documento de Crédito, e a TED, que é Transferência Eletrônica Disponível.

Hoje, em 2024, esses dois tipos de operações estão encerrados definitivamente.

A declaração é da Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

Isso porque o Pix já está totalmente incorporado ao dia a dia da população.

O uso é incondicional.

Inicia-se numa pequena compra em padaria, passa pelo pequeno empreendedor e chega aos grandes negócios.

Haja vista os e-commerce que já aceita o Pix já há algum tempo.

Com isso, o Pix traz economia para o País, uma vez que com o seu uso constante, o Brasil reduz a necessidade do uso de dinheiro em espécie em transações comerciais e diminui os altos custos de transporte e logística de cédulas.