Cartão de crédito com biometria: Será o novo futuro?

Cartões de crédito com biometria estão ganhando mais espaço. Esse tipo de cartão que possui sensor de impressão digital não é novidade no mundo: há anos a MasterCard já possui modelos funcionando nos EUA.

Cartões biométricos utilizam de nossas digitais para autenticar a compra. Assim, não precisamos digitar a senha toda vez que vamos utilizá-lo.

É um método mais simples e seguro. Afinal, a biometria é única para cada pessoa e você não corre o risco de esquecer seu cadastro, como acontece com as senhas.

Dessa forma, no próprio cartão há um sensor que grava sua impressão digital. Quando for utilizá-lo, basta colocar o dedo sobre o sensor e ele irá ler sua biometria. Nesse sentido, o funcionamento é parecido com o uso da digital para desbloquear nossos celulares.

Como irão funcionar?

A primeira versão apresentada em 2014 pela Mastercard em parceria com a Zwipe utilizava a tecnologia a tecnologia NFC e precisava de uma carga periódica para funcionar.

Com a evolução da tecnologia, os novos modelos são exatamente iguais aos que estamos acostumados, com senha. Assim, é necessário fazer o cadastro biométrico junto ao banco e os dados ficam cadastrados no chip do cartão.

Para não precisar de carga, o cartão utiliza a própria energia da maquininha e a autenticação acontece de forma local, sem ter que ligar ao banco.

Ainda mais, recentemente a Mastercard e Samsung Card (principal emissora de cartões na Coreia do Sul) e a divisão de semicondutores da Samsung assinaram um novo acordo para desenvolvimento de um novo cartão de crédito com biometria.

O novo chip que será desenvolvido não foi esclarecido se é uma evolução da tecnologia atual da Mastercard ou um projeto para algo específico.

Não só a Mastercard, mas a Visa também está desenvolvendo sua própria tecnologia. O primeiro cartão biométrico da bandeira foi anunciado durante o NRF Big Show 2018, em Nova Iorque.

O cartão biométrico Visa foi anunciado em parceria com a Mountain America Credit Union e o Bank of Cyprus.

Assim, a tecnologia Visa também permite que o cartão tenha sensores que guardam as informações das nossas digitais. Dessa forma, ao usá-lo nas compras, basta colocar o dedo em cima do sensor e pronto. Nada de senhas ou contato com a máquina.

Quando os cartões biométricos chegarão ao mercado?

O Brasil ainda não possui datas para a chegada desses cartões biométricos. Em geral, essa tecnologia ainda está em fases de testes em países como Coreia do Sul, Estados Unidos e Europa.

Entretanto, há grandes chances de Visa e Mastercard buscarem trazer a tecnologia o quanto antes para cá.

Segundo uma pesquisa da Visa, 90% dos consumidores brasileiros optariam pela biometria. Outros 76% foram além e disseram que trocariam de instituição financeira se a atual não oferecer a opção.

Além disso, 82% dos entrevistados consideram a biometria mais rápida e 85% consideram mais fácil de usar. Afinal, apenas colocar o dedo no sensor é muito mais simples e rápido do que ter que lembrar uma sequência de 4 números e ter que digitar.

Então, ainda teremos que utilizar nossas senhas por enquanto. Contudo, Edson Ortega, vice-presidente de risco da Visa do Brasil, diz que “com a disponibilidade e o custo acessível de métodos de autenticação mais fortes e simples, como a biometria, a Visa acredita que a indústria poderá reduzir o uso de senhas em alguns anos”.

Contudo, o uso do PIN e senhas continuará existindo, porém mais como método de backup.

Quais os principais benefícios dos cartões biométricos?

O uso da biometria traz diversos benefícios. Primeiro, o uso de senhas ou PIN não é o método mais seguro que temos.

Afinal, muitas pessoas costumam utilizar senhas simples ou fáceis de serem adivinhadas. Assim, é mais fácil de acontecer golpes e fraudes no cartão de crédito.

Dessa forma, o uso da biometria traz muito mais segurança, pois os dados ficam armazenados no cartão, por isso não podem ser interceptados ou roubados.